COVID 19: INTERPRETANDO OS RESULTADOS: ORIENTE-SE

A NOVA DAMA DO SERTANEJO… E A DEFENSORA DAS MULHERES!
06/07/2020

COVID 19: INTERPRETANDO OS RESULTADOS: ORIENTE-SE

COMO ANDA A SAÚDE NO RIO?…

Apesar da enxurrada de informações, muitos ainda desconhecem os reais significados das nomenclaturas que identificam os diferenciais, e outros esclarecimentos como estes, por exemplo:

 

O que significa IgG positivo e IgM negativo nos resultados de sorologia para o COVID 19?

Quem de vocês já sabe o que significa quando o resultado do exame de sorologia apresenta IgG positivo e IgM negativo? Ah, você ainda não sabe? Então, vamos lá: as Imunoglobulinas IgG e IgM são anticorpos. Elas agem em forma de resposta a antígenos presentes em nosso organismo. Você suspeita que possa ter sido infectado ou que está com Coronavírus, é isso? Pois bem, neste texto respondemos algumas dúvidas frequentes sobre os exames.

 

Se o seu exame deu IgG positivo e IgM negativo, veja o que isso significa em relação a COVID-19:

No COVID-19 os anticorpos durante a fase aguda da doença, que são os IgM ou IgA, aparecem em torno do 10º dia de sintomas. Já os anticorpos do tipo IgG são produzidos, tardiamente, pelo organismo e geralmente aparecem a partir do 15º dia do contágio. Eles podem permanecer por meses ou anos dentro do nosso organismo. Se o resultado do exame detecta IgG reagente e IgM não-reagente, significa que o paciente teve infecção há pelo menos 3 semanas e pode estar imunizado, porém, ainda não há evidências científicas sólidas que afirmem o tempo de duração dessa imunização.

 

Com quanto tempo se deve repetir o exame de sorologia para ver se houve mudanças?

O período ideal para realizar o exame sorológico é após o 10º dia do início dos sintomas, pois antes desse período temos uma baixa sensibilidade e uma probabilidade maior, de ter um resultado falso-negativo. Como alguns casos apresentam resultados falsos-positivos de IgM, é preciso repetir o exame no período de 7 dias e verificar se houve mudanças ou o surgimento de IgG, que confirma a infecção.

 

Se o seu resultado deu positivo para o Coronavírus, porém você não tem os sintomas, isso já pode considerá-lo como um paciente assintomático?

Sim, caso o resultado do seu exame tenha diagnosticado a presença do COVID-19, mas você não sentiu nenhum indício dessa doença, você já se considerar um paciente assintomático.

 

Confira abaixo, as principais dúvidas em relação aos resultados do teste para o COVID-19:

Fazer um teste rápido para o COVID-19, onde o resultado dá positivo para IgM e negativo para IgG.  Depois de ir a um hospital, fazer o teste de coleta de material no nariz e na língua e ter o resultado negativo.

 

Na sequência, refazendo o teste rápido e novamente dar IgM reagente e o IgG negativo. Isso significa que se pode estar com o Coronavírus?

 

Os testes rápidos são capazes de detectar proteínas na infecção e identificar a presença de anticorpos para o vírus. Eles são usados apenas em casos emergenciais ou ambulatoriais, e são exames que não possuem a precisão igual aos testes sorológicos, que são realizados através da coleta de sangue venoso. Os resultados desse exame, geralmente, não são muito confiáveis, e podem apresentar diagnósticos falso-negativos ou falso-positivos. IgM positivo e IgG negativo indicam infecção aguda, ou seja, iniciada há dias ou semanas e com a possibilidade de transmitir a doença. Fica o alerta!

 

A falta de jejum no exame de sorologia pode alterar o resultado de IgM e IgG?

Não, o jejum não é necessário em nenhum tipo de teste.

 

Não foi infectado e nem tem sintomas do Coronavírus. Através deste exame pode-se saber se está imune ao COVID-19?

O exame sorológico indica se o organismo desenvolveu anticorpos para o novo Coronavírus, porém, até o momento não há evidências científicas sobre a imunidade adquirida ao Coronavírus.

 

Se o IgM e o IgG derem positivo, significa necessariamente que se esteja com COVID-19, ou podem ser outros tipos de vírus?

Na sorologia também pode acontecer o diagnóstico falso-positivo. E isso ocorre devido a uma reação cruzada, ou seja, os anticorpos que estão presentes no organismo para outros tipos de vírus podem reagir na hora do exame, e apresentar um resultado positivo. Na sorologia para o COVID-19, por exemplo, os pacientes vacinados contra a gripe e outros tipos de infecção podem apresentar o resultado falso-positivo.

 

Você sabia que pode haver relações entre os tipos sanguíneos e o Coronavírus?

Estudos realizados na China indicam que pessoas com o tipo sanguíneo A são mais suscetíveis a contrair o COVID-19, em comparação aos demais tipos. Pesquisadores do Hospital Zhongnan, da Universidade de Wuhan, analisaram os pacientes diagnosticados com o COVID-19 e explica, qual é a relação entre tipo sanguíneo e Coronavírus.

Estudos indicam relação entre o tipo sanguíneo e a vulnerabilidade para contrair o Coronavírus. Tipo sanguíneo e Coronavírus: qual é a relação entre eles?

Um estudo preliminar realizado na China, e publicado pelo MedRxiv comparou a distribuição do grupo sanguíneo A, B e O, em 2.173 pacientes diagnosticados com o COVID-19, e confirmou por meio de testes realizados em três hospitais em Wuhan e Shenzhen que, o tipo sanguíneo pode ter relação com o Coronavírus. A suposição iniciou-se de acordo com pesquisas realizadas anteriormente, que relataram maior incidência da Hepatite B, em pacientes com o tipo sanguíneo A. Porém, outros fatores como, a idade e as doenças preexistentes, como em pacientes crônicos, não foram considerados para realizar a referida pesquisa. Este, foi o primeiro estudo a associar os tipos sanguíneos A, B e O à COVID-19. É necessário estudar mais profundamente qual é a relação entre o grupo sanguíneo A, B, O e a suscetibilidade à doença.

Quais os tipos sanguíneos mais vulneráveis ao COVID-19? 

Segundo os resultados obtidos pela pesquisa, em comparação aos outros tipos sanguíneos, o grupo A possui um maior risco de adquirir a doença. Já o grupo sanguíneo O, foi associado a um risco menor de infecção em relação aos outros grupos, que estavam com o Coronavírus. Ainda não é possível dizer que as pessoas com a tipagem sanguínea ‘A’ fariam parte do grupo de risco do Coronavírus. Essa informação ainda requer passagem por um processo de aprovação científica, para verificar a qualidade do método utilizado, e se os resultados podem ser considerados.

(segue abaixo)

Os gráficos abaixo mostram a influência do tipo sanguíneo no contágio do Coronavírus:

O primeiro gráfico mostra que na cidade de Wuhan, os tipos sanguíneos de 3.694 pessoas que não foram infectadas pelo vírus são:

A segunda ilustração demonstra que no hospital de Wuhan, os tipos sanguíneos dos 1.775 pacientes infectados pelo vírus foram:

Já o terceiro gráfico mostra o tipo sanguíneo das 206 pessoas que foram vitimadas pelo Coronavírus:

Fonte: DASA / Coronavírus _ Medrixiv

Edição de Textos: Theo G Fox

Foto: hojeemdia.com.br

 

×